Aos empreendedores utópicos: qual futuro queremos criar?

Desenvolver um MVP, criar um modelo de negócios, abrir uma empresa, operar um mercado, tudo isso é necessário para o sucesso, mas não suficiente.

0
845

Vivo uma nostalgia da utopia.

Experimento nosso mundo em suas múltiplas dimensões e complexidades e percebo que faz tempo sinto o peso dessa ausência. Ao aprofundar mais essa reflexão me surpreendo com o fato de que essa palavra já quase não se usa e que, em alguns fóruns, chega a ser ridicularizada. Em um papo de boteco com um amigo esta semana escutei: “Utopia é coisa de quem devaneia, luxo de quem não tem o que fazer. O que vale é o mundo pragmático.” Foi um choque. E ao mesmo tempo um gatilho para um aprofundamento.

Será que é isso? E qual o impacto disso na nossa realidade diária e no mundo que criamos?

Confrontei essa afirmação com a referência mais próxima que conheço: minha própria vivência. E me dei conta que minha vida é essencialmente conectada com utopias. Minha identidade como empreendedor, quem sou e como sou, é totalmente lastreada em utopias. Sem essa palavra na minha existência não sei como me definir. Percebi que é por causa da utopia que me levanto todos os dias e faço escolhas e renúncias e que diante de grandes desafios, ela é sabia conselheira. É verdade que muitas vezes não alimentou meu bolso, mas jamais deixou de alimentar minha alma, o que sempre julguei ser essencial para ter um bolso sustentável. Talvez seja apenas um romântico sonhador. Ah, mas se for isso, que esse sonho romântico não se acabe porque ele faz da minha jornada algo que eu lutaria mil batalhas para reviver.

Imerso nesse caldo de reflexões e sentimentos, me vi diante de uma pergunta mais central, que entendo estar na raiz dessa questão: Com o que verdadeiramente nos importamos?

Essa pergunta grande foi a que me forjou como empreendedor focado em impacto social. Ficar diante dela de forma honesta exige uma grande energia, pois todas as nossas reações interiores tentam nos afastar. Respostas rápidas, superficiais, normalmente apenas um jeito veloz de escapar do momento. Tentamos evitar esse olho no olho na frente do espelho, com um certo temor de encontrar a semente da incoerência que existe em nossas vidas, manisfestas na distância entre intenções e ações, justificativas, omissões. Comigo foi assim. Um processo sofrido para manter o olhar sem desviar. E aceitar o que eu via. Hoje percebo que foi a habilidade de sustentar esse olhar firme que me ajudou a forjar meu Ser empreendedor e a minha rica jornada de escolhas e renúncias.

Qual é a transformação que você deseja realizar

Qual a relevância disso para quem deseja empreender? Simples. Não há empresa sem modelo de negócio. E não há modelo de negócio sem empreendedor. E o tipo de empreendedor que você é e será depende essencialmente das grandes perguntas que você se faz. Qual a sua utopia? Que transformação você deseja protagonizar? De que sonhos o seu futuro está grávido? Sem isso, não há empreendedor. Pode haver um empresário. Mas não há um empreendedor.

No campo de negócios de impacto social há solo fértil para empreendedores utópicos. Há adubo rico para sementes grandiosas. É nosso dever como empreendedores de impacto nutrir esse solo e ajudar a que floresça, polinize, expanda. Nosso mundo precisa disso. Urgente. Estamos órfãos de empreendedores utópicos! Serão esses os que levarão nosso futuro a um patamar de dignidade, felicidade, sustentabilidade e prosperidade como os existentes nas mais elevadas utopias.

Desenvolver um MVP, criar um modelo de negócios, abrir uma empresa, operar um mercado, tudo isso é necessário para o sucesso, mas não suficiente. Nos últimos 20 anos, tanto ao empreender, como ao investir e acompanhar empreendedores, aprendi que empreendedores utópicos são essenciais.

Com o que você se importa? Qual o futuro que você quer criar? O que precisa mudar para começar já?

Nosso mundo precisa da sua utopia!!! Descubra sua utopia. Ame sua utopia. Depois faça o que quiser para colocá-la em prática porque o que floresce no amor só pode dar em coisa boa.

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome