Eu Errei: “Não queremos a sua ajuda”

A Hand Talk foi pioneira ao criar uma solução digital de acessibilidade a deficientes auditivos. Mas demorou para que os potenciais clientes a vissem como um negócio, e não como filantropia.

0
151

A gente precisou mostrar para as empresas que acessibilidade é uma oportunidade.” Ronaldo Tenório demorou para encontrar o equilíbrio entre ser “missionário” e “mercenário”, como ele próprio costuma dizer. CEO e fundador da Hand Talk, Ronaldo enfrentou o desafio de trabalhar em uma empresa charmosa e com uma causa forte: um tradutor de libras digital para a inclusão de surdos na sociedade. Porém o faturamento não vinha.  Potenciais clientes da sua solução viam a Hand Talk apenas como mais um projeto legal, mas demoraram a entender que poderiam contratar seu serviço. A virada veio com uma mudança de mentalidade: falar menos da causa em si para aprender a se vender melhor, enquanto negócio. “Se o negócio for escalável, ganhar dinheiro e gerar impacto é a melhor forma! A turma do bem sempre tem que trabalhar de graça?”, questiona.

Leia a reportagem completa e assista o 9º episódio da série Eu Errei

Deixe um comentário

Digite seu comentário
Digite seu nome